O que fazer em casos de parada cardiorrespiratória


De repente, uma pessoa que está ao seu lado desmaia. Os sinais indicam que seu coração parou e que ela não está respirando, ou seja, está tendo uma parada cardiorrespiratória (PCR). Diante desse quadro é preciso agir rápido para salvar sua vida, mas você sabe exatamente o que fazer?

A situação pode acometer qualquer pessoa, independentemente de haver alguma doença cardíaca prévia ou não. Acidentes, hemorragias, falta ou excesso de açúcar no sangue são apenas alguns dos motivos que podem levar uma pessoa a ter uma PCR.

O que é a parada cardiorrespiratória

A parada cardiorrespiratória é uma situação na qual o coração pára de fazer a sua função normal, que é a de bombear sangue e levar oxigênio para os demais órgãos, vindo a comprometer também a respiração.

A falta de fluxo sanguíneo e de oxigenação compromete seriamente o funcionamento do organismo, levando a alguns quadros irreversíveis. O cérebro, por exemplo, é o órgão mais sensível à falta de oxigênio, suportando apenas 4 minutos. Após esse tempo, as sequelas são irreparáveis e podem levar a vítima à morte cerebral.

Assim, saber como agir, quais técnicas aplicar e quais equipamentos utilizar em casos de parada cardiorrespiratória é essencial para salvar a vida de uma pessoa nessa condição.

O que fazer frente a uma parada cardiorrespiratória

Uma parada cardiorrespiratória pode acontecer em qualquer lugar e vitimar inclusive pessoas consideradas saudáveis. Passeios em família, festas, locais públicos ou de trabalho, qualquer ambiente pode ser palco dessa situação.

Para se ter uma ideia, de acordo com a SOBRAC, Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas, das PCRs que acontecem fora dos hospitais, 86% delas ocorrem em casa e 14% em lugares públicos ou corporativos. E esses casos representam 200 mil das 300 mil mortes por PCR que ocorrem todos os anos no Brasil.

Esses números indicam que a grande maioria das pessoas não está em ambiente hospitalar quando apresentam o problema, o que pode refletir diretamente no seu socorro.

Aqui, é fundamental lembrar também que após 10 minutos do início da PCR, as chances de reversão são mínimas devido ao comprometimento dos órgãos, conforme explicado acima. Por tudo isso, é essencial saber como agir nesses casos, os quais podem acontecer com pessoas próximas a você, a qualquer momento ou hora do dia.

Considerando todas essas orientações, veja abaixo a maneira certa de proceder.

Identifique a PCR

Nem toda pessoa que está desmaiada está em parada cardiorrespiratória. Esse é um erro de identificação muito comum cometido por pessoas leigas, ou seja, por aquelas que não são profissionais da área de saúde.

Infelizmente, não é raro vermos prestações de socorro nos quais a vítima está desacordada e, uma pessoa na intenção de ajudar, inicia as manobras de reanimação sem constatar se esse procedimento é realmente necessário.

Assim, o primeiro passo é identificar se a pessoa está mesmo em PCR. Para isso, comece chamando-a e verificando se ela consegue lhe responder. Verifique também se a vítima está respirando.

Chame a emergência

Confirmando que a vítima realmente está desacordada e sem respirar, antes de iniciar a manobra de reanimação é preciso entrar em contato com a emergência, ligando para o SAMU no telefone 192, especialmente se não houver outras pessoas com você.

Caso tenha alguém próximo, determine que realize a ligação. Além disso, é fundamental solicitar que tragam o Desfibrilador Externo Automático (DEA) o quanto antes, enquanto você inicia os próximos passos.

Inicie a reanimação cardiopulmonar

Confirme se você e a vítima da parada cardiorrespiratória estão em um local seguro, a fim de evitar outros acidentes. Verificado isso, inicie a reanimação cardiopulmonar (RCP).

A RCP é o procedimento utilizado para reverter quadros de parada cardiorrespiratória. Consiste em um conjunto de manobras que visam manter a circulação sanguínea até que o funcionamento do coração se normalize.

Uma vez iniciada, só pode ser interrompida em 3 momentos: para que o desfibrilador faça sua análise, quando o atendimento médico especializado chegar ou o paciente retomar a consciência.